Operação do Exército com 400 pessoas busca armamento de uso restrito

Geral Imprimir
Sábado, 15 de Abril de 2017 - 06h15

Deflagrada nesta sexta-feira (14) pelo CMO (Comando Militar do Oeste), uma operação de grande porte do Exército busca armamentos e outros produtos de uso restrito das corporações, que podem estar nas mãos do tráfico e do crime organizado.

A operação é realizada junto com a Polícia Militar e a Polícia Civil, e 400 militares do Exército realizam buscas e apreensão nos bairros Jardim Nhanha e Taveirópolis. Conforme explicou o Major Marcelo Machado, as ações, no entanto, começaram durante a semana, e envolveram os setores de inteligência da Polícia Civil, Militar e do Exército.

Denúncias surgiram na Operação Ágata
O Major explicou que a operação surgiu à partir de denúncias durante a Operação Ágata, que combate o narcotráfico na fronteira. “A gente estava com a operação Ágata há 15 dias e recebemos algumas denúncias de que poderia ter algum armamento de calibre de uso restrito e de algum material de uso controlado pelo Exército já aqui em Campo Grande, fruto do tráfico e do crime organizado”, explicou o Major.

A data das buscas e apreensões, de acordo com ele, não foi escolhida à toa. Com um grande efetivo de militares nas ruas, as corporações escolheram a Sexta-feira Santa para não alterar o ritmo da cidade.

“Como é uma operação de grande envergadura e ficamos preocupados com o impacto que daria na cidade se fizéssemos durante a semana, então postergou, deixou pro início do feriado, de tal modo que não atrapalhasse a rotina da cidade e a gente pudesse fazer essa operação com mais tranquilidade”, esclareceu o Major.

Ainda não há informações de quais seriam as armas e demais artefatos, e como teriam chegado ao crime organizado. O Major não negou a possibilidade de desvio das corporações, mas declarou que “nenhum armamento foi desviado dos quartéis ou organizações militares em Mato Grosso do Sul”.

“Quando a gente fala em armamento de uso restrito, nada impede que seja de 9 mm que entrou pela Argentina e veio parar aqui, então a gente trabalha com qualquer hipótese desse tipo de material”, pontuou o Major, que enfatizou que a operação continua por tempo indeterminado.

Fonte: Midiamax

© 2010-2017 - Todos os direitos reservados - Portal do MS - contato@portaldoms.com.br