Criança dada como morta em creche está viva; cinco morreram

Geral Imprimir
Sexta-Feira, 06 de Outubro de 2017 - 12h32

Uma das crianças que havia sido dada como morta no ataque a uma creche de Minas Gerais na quinta-feira (5) sobreviveu. Com isso, o número de crianças mortas foi revisado de seis para cinco. As informações foram divulgadas pelo Corpo de Bombeiros mineiro nesta sexta-feira (6).

Segundo os bombeiros, houve um erro de avaliação médica e Cecília Davina Gonçalves Dias, de 4 anos, que estava com parada cardíaca, foi reanimada após manobras.

O autor do ataque, Damião Soares dos Santos, de 50 anos, e uma professora, de 43, também morreram. A educadora teve 90% do corpo queimado. Segundo a Polícia Militar, o vigia jogou álcool nas crianças e em si mesmo e, em seguida, colocou fogo.

Outras crianças e funcionários da creche ficaram feridos no ataque. Trinta e oito pessoas permanecem internadas em hospitais de Montes Claros, Janaúba e Belo Horizonte. Entre elas, estão 22 crianças.

Duas funcionárias da creche, que estão em estado grave, foram transferidas de helicóptero de Janaúba para Belo Horizonte, na manhã desta sexta-feira.

O Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, também recebeu na madrugada mais quatro crianças feridas. Unidade é referência no estado em tratamento de queimaduras. Ao todo, há 11 pessoas internadas em Belo Horizonte, sendo 9 no João XXIII, em estado grave.

O Centro Integrado de Atendimentos às Vítimas de Acidentes (Ciava) do Hospital Universitário de Santa Maria (UFSM) recebeu um pedido de ajuda das equipes que trabalham no atendimento dos feridos no incêndio em uma creche localizada na cidade de Janaúba, em Minas Gerais. O Ciava atendeu as vítimas da tragédia na boate Kiss, em 2013.

O pedido de ajuda ao Ciava foi encaminhado ainda na quinta por meio da assistência farmacêutica do HUSM. Nesta sexta, a equipe está avaliando se a ajuda ocorrerá à distância, ou se profissionais serão enviados para Belo Horizonte.

Sobrevivente

Rosângela passou a noite no hospital com a filha Maria Rita Barbosa, de 4 anos. Ela estava na creche no momento do ataque, mas não sofreu queimaduras.

“Quando eu cheguei lá, o fogo já estava apagado. Minha filha só me falou que viu a professora e os coleguinhas se queimando. Eu trouxe ela para o hospital porque estava tossindo muito”, disse Rosângela Souza Barbosa, de 38 anos.

Fonte: G1

© 2010-2017 - Todos os direitos reservados - Portal do MS - contato@portaldoms.com.br