Crise na JBS preocupa governo e provoca danos na economia

Economia Imprimir
Sexta-Feira, 20 de Outubro de 2017 - 07h55

A suspensão da comercialização e abate de gado pelas unidades frigoríficas da JBS em Mato Grosso do Sul podem ter efeito cascata danoso ao Estado.

O secretário de Governo, Eduardo Riedel, diz que a administração acompanha com “muita preocupação” a decisão do grupo. “O governo acompanha tudo de perto com participação de secretários e técnicos nas audiências, manifestações”.

Um dos principais temores é que, mesmo que as articulações de acordo com a CPI da Assembleia Legislativa e o grupo tenham resultado positivo, com a derrubada do bloqueio dos R$ 730,6 milhões, ainda há uma ação popular com o mesmo objeto, que teve recurso deferido para bloquear a mesma quantia.

“Óbvio que mexe profundamente com o mercado, o produtor é quem sente mais essa situação, a preocupação é muito grande”. As discussões são acompanhadas por meio dos secretários da Sefaz, Segov e Semagro.

Riedel disse que é interesse do Estado preservar a empregabilidade e a atuação da empresa, que gera cerca de 15 mil empregos diretos.

Embora evite tom alarmante, a situação é tensa: desde a suspensão das atividades da JBS, funcionários fizeram protesto na Assembleia, preocupados com possíveis atrasos de pagamentos e demissões. Na quarta-feira, o mercado de compra e venda ficou estagnado no Estado.

A médio prazo, a arrecadação do Imposto sobre Circulação e Mercadorias e Serviços (ICMS) pode sofrer novo impacto. Desde o ano passado, os números foram afetados pela oscilação na importação do gás natural boliviano.

No primeiro semestre, a queda foi de 26,4%, consequente do comportamento do mercado de janeiro a março, quando a importação pela Petrobras caiu pela metade.

Com relação aos incentivos fiscais, o secretário afirmou que a Secretaria de Fazenda já está fazendo a convalidação dos benefícios das empresas, entre elas da JBS.

“Todas as empresas estão em processo de recadastramento com os benefícios sendo analisados. No caso da JBS, temos a questão da Eldorado dentro deste conjunto”, declarou.

Fonte: Portal Correio/ Estado

© 2010-2017 - Todos os direitos reservados - Portal do MS - contato@portaldoms.com.br