CPI acha rombo de R$ 335 milhões nas contas do Instituto de Previdência de Campo Grande

Política Imprimir
Sexta-Feira, 29 de Dezembro de 2017 - 06h50

Foram seis meses de trabalho analisando documentos contábeis do Instituto Municipal de Previdência de Campo Grande (IMPCG). O levantamento da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instaurada pela Câmara de Vereadores do município para apurar a situação da autarquia avaliou os números de 2013 a 2016 e encontrou um rombo de R$ 335 milhões nos cofres da entidade.

A diretora-presidente do IMPCG, Camilla Nascimento de Oliveira, disse que ainda não recebeu o relatório final da CPI e que aguarda a chegada do documento para se pronunciar sobre a situação apontada.

O vereador Hederson Fritz (PSD), presidente da CPI, explicou que a comissão recomendou em seu relatório final várias medidas para tentar solucionar o problema, que ameaça a aposentadoria dos servidores públicos municipais em um futuro bem próximo.

Uma das alternativas, conforme ele, é repassar o custo do pagamento de benefícios como o auxílio-doença, auxílio-reclusão e salário família dos servidores para a prefeitura. Além disso, a CPI sugere que o município aumente o repasse da parte dele, que hoje é de 11,5% sobre o salário, para 22%. A comissão também quer que o instituto cobre juros e multas do município quando o Executivo atrasar os pagamentos.

O presidente da CPI alerta que se as medidas sugeridas não forem adotadas em curto prazo pela prefeitura, que em pouco tempo a situação em Campo Grande vai ser catastrófica, semelhante a que vem ocorrendo no estado do Rio de Janeiro, onde a entidade previdenciária local não consegue arcar com o pagamento das aposentadorias e pensões do funcionalismo público.

De acordo com o relatório final da CPI, o IMPCG já é deficitário em 36%, cerca de R$ 11 milhões por mês, mas a situação ficou pior ainda porque a prefeitura deixou de fazer repasses obrigatórios por lei. Por conta disso, o instituto precisou sacar dinheiro de fundos de investimento, cerca de R$ 100 milhões para cobrir o rombo.

As aplicações eram uma espécie de poupança do instituto. Há dois anos havia R$ 110 milhões depositados, mas agora só restam R$ 10 milhões. Desde 2013 a prefeitura atrasa os repasses da parte patronal da contribuição e quando repõe o dinheiro não paga os juros.

O presidente da CPI explicou que a prefeitura também descumpriu o decreto que ela própria estabeleceu para cobrir o déficit mensal, deixando de fazer os repasses ainda no mandato do ex-prefeito Alcides Bernal (PP).

Durante o período em que Gilmar Olarte esteve na prefeitura a situação piorou, segundo o vereador. Ele diz que neste período o município também passou a atrasar os repasses da contribuição que era descontada do salário dos servidores.

O relatório da CPI vai ser encaminhado ao Ministério Público Estadual (MP-MS), Tribunal Estadual de Contas (TCE-MS) e ao Ministério da Previdência.

Fonte: G1 MS

© 2010-2018 - Todos os direitos reservados - Portal do MS - contato@portaldoms.com.br