Quinta-Feira, 12 de Dezembro de 2019

Capitais registram protestos contra STF e liberdade de Lula


Manifestantes cobraram aprovação de PEC que permite prisão em segunda instância, exaltaram Lava Jato e atacaram ministros do STF
Ato em frente a FIESP convocado pelo MBL e pelo Vem Pra Rua, contra a decisão do STF sobre prisão em segunda instância e contra a soltura de Lula. 9/11/2019 (Bruno Santos/Folhapress)

Contra a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a decisão do Supremo Tribunal Federal que impediu a prisão de condenados em segunda instância, manifestações convocadas pelo Movimento Brasil Livre (MBL), Vem Pra Rua e Nas Ruas se reuniram nas principais capitais do país neste sábado, 9. O protestos pressionavam pela aprovação de uma PEC que permite a prisão em segunda instância e deve ser votada na Comissão de Constituição e Justiça na próxima segunda-feira, 11.

Em São Paulo, os manifestantes se aglomeraram em um trecho da Avenida Paulista entre a sede da Federeção das Indústrias de São Paulo (Fiesp) e o Museu de Artes de São Paulo (Masp). Com o apoio de dois carros de som, o público pediu e impeachment de ministros do STF e a aprovação da PEC 410, que restaura a execução antecipada da pena.

O evento na capital paulista teve a maior mobilização de todos os atos convocados. Estiveram presentes a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), o empresário Luciano Hang e o jurista Modesto Carvalhosa, que, em seu discurso pediu o impeachment de ministros do STF.

No Rio de Janeiro, os manifestantes se reuniram em torno de um pequeno carro de som e ocuparam menos de um quarteirão da praia de São Conrado, bem em frente ao prédio onde mora o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Muitos deles estavam vestidos de preto em protesto contra o STF. A maioria, no entanto, manteve a tradição do movimento e se vestiu de verde e amarelo.

“A decisão do STF foi um golpe, um ato político”, discursou uma das organizadoras do evento, Adriana Balthazar, do Vem Pra Rua. “Estamos na rua para pedir o fim da impunidade.” Nos cartazes dos manifestantes, as palavras de ordem eram “Prisão em segunda instância sim, impunidade não”, “Lula volta para a cadeia”, “Meu partido é o Brasil” e “A nossa bandeira jamais será vermelha”.


Fonte: VEJA.ABRIL