Terca-Feira, 14 de Julho de 2020

Segundo OMS, o pior da pandemia de Covid-19 ainda está por vir


Diretor da organização diz que contexto mundial de desunião piora ainda mais a pandemia de coronavírus: 'Lamento dizer, mas com esse ambiente e com essas condições, nós tememos pelo pior'.
'Lamento dizer, mas com esse ambiente e com essas condições, nós tememos pelo pior', disse diretor de Organização Mundial da Saúde — Foto: Reuters

                O pior da pandemia do Covid-19 ainda pode estar por vir, alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS), seis meses depois do começo da pandemia.

                O diretor da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que o vírus infectaria mais pessoas se os governos não implementassem as políticas certas.

                 Sua mensagem segue sendo: "teste, rastreie, isole e faça quarentena".

                Mais de 10 milhões de casos foram registrados no mundo todo desde o surgimento da doença na China no final do ano passado.

                O número de infectados que morreram está agora acima de 500 mil. Metade dos casos no mundo ocorreram nos Estados Unidos e na Europa, mas a Covid-19 está crescendo rapidamente nas Américas, sobretudo nos Estados Unidos e Brasil.

                 O vírus também está afetando o sul da Ásia e a África, com o pico da pandemia previsto para chegar no final de julho.

              "Todos queremos que isso acabe. Todos queremos dar sequência às nossas vidas. Mas a realidade dura é que não estamos nem perto disso", disse Tedros.
        "Apesar de muitos países já terem feito progresso, globalmente a pandemia está na verdade acelerando."

 

         "Com 10 milhões de casos agora e meio milhão de mortes, a não ser que nós enfrentemos o problema que já identificamos na OMS, a falta de união nacional e a falta de solidariedade global e o mundo dividido que estão ajudando o vírus a se espalhar... o pior ainda está por vir."

               "Lamento dizer, mas com esse ambiente e com essas condições, nós tememos pelo pior."

               "Nós também fazemos um apelo para que os governos sigam os exemplos de Alemanha, Coreia do Sul e Japão, que mantiveram seus surtos sob controle através de políticas que incluíram testes e rastreios rigorosos", disse ele.

                Tedros não citou exemplos de países que considera problemáticos no combate ao coronavírus.

Quais são os países mais afetados?

 

                Estados Unidos e Brasil estão entre os países com o maior número de casos e de mortes. Em ambos, autoridades locais estão tomando decisões sobre reabrir ou não a economia.

                O Estados Unidos registraram mais de 2,5 milhões de casos e cerca de 126 mil mortes com o Covid-19 até agora — mais do que qualquer outro país.

                Os Estados americanos que abandonaram a quarentena nas últimas semanas — sobretudo no sul — têm registrado aumentos fortes no número de casos.

                Os novos surtos fizeram com que Texas, Flórida e outros Estados restringissem as medidas de reabertura novamente.

                O país com o segundo maior número de casos é o Brasil — são 1,3 milhão e mais de 58 mil mortes.

                Na segunda-feira (29), o Distrito Federal decretou estado de emergência. Grande parte dos estados e prefeituras do Brasil tem adotado medidas de reabertura da economia.

                No Reino Unido, país da Europa Ocidental com o maior número de mortes, o país se prepara para a reabertura da economia, mas uma cidade, Leicester, terá de permanecer com parte de seu comércio fechado devido ao aumento de casos.

       

Fonte: Globo