Quarta-Feira, 30 de Setembro de 2020

Mais da metade da população brasileira vai pagar dívidas com FGTS Emergencial


Em MS, ação vai disponibilizar R$ 500 milhões para cerca de 900 mil beneficiários até o fim do calendário
Foto: Ilustrativa

Com os saques emergenciais do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), o governo federal pretende injetar R$ 37,8 bilhões na economia, beneficiando cerca de 60 milhões de pessoas, que poderão retirar até R$ 1.045,00. 

Pesquisa da Serasa, braço da Serasa Experian voltado à jornada financeira do consumidor, realizou uma pesquisa sobre a perspectiva do brasileiro com relação ao saque emergencial do FGTS, que aponta que a maioria da população pretende usar a verba para quitar dívidas.

Criado como uma nova medida para auxiliar os trabalhadores em tempos de pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o FGTS emergencial vai beneficiar 900 mil pessoas em Mato Grosso do Sul. 

De acordo com a superintendência regional da Caixa Econômica Federal, a estimativa é que sejam injetados R$ 500 milhões na economia estadual. A Medida Provisória nº 946, publicada dia 17 de abril, autorizou o auxílio aos trabalhadores que precisam de uma renda extra em razão do impacto econômico da pandemia.  

Segundo o levantamento da Serasa, 52% dos consumidores devem usar o benefício para o pagamento de dívidas, refletindo que ao menos metade da população do País está consciente da importância de manter o nome limpo entre as instituições financeiras durante a pandemia do novo coronavírus.  

“O saque emergencial de até R$ 1.045 vai desempenhar um papel muito importante na organização do orçamento das famílias brasileiras, que já encontram dificuldade com as despesas básicas do dia a dia, complicando ainda mais a vida financeira se estiverem com dívidas”, analisa Jéssica Vicente, especialista em Pesquisa e Comportamento do Consumidor da Serasa.

A pesquisa ainda aponta que entre os indivíduos consultados, mais da metade (67%) pretende realizar o saque. Foram entrevistadas 1.290 pessoas, homens e mulheres de todas as regiões do Brasil, entre 18 e 85 anos de idade. 

O estudo foi realizado no formato on-line, por meio de uma metodologia quantitativa que reflete o comportamento da população brasileira como um todo. Atualmente, segundo a Serasa, mais de 64 milhões de consumidores estão inadimplentes.


Fonte: Correio do Estado