Quarta-Feira, 30 de Setembro de 2020

Operação da PF mira esquema liderado pelo narcotraficante Jarvis Pavão em MS


Família do traficante está entre os alvos; mandados são cumpridos em MS e outros quatro estados
Jarvis Pavão está preso desde 2009 e comandava esquema da cadeia - Foto: Arquivo

Polícia Federal cumpre mandados de prisão e busca e apreensão em Mato Grosso do Sul e mais outros quatro estados, em operação contra organização criminosa liderada pelo narcotraficante Jarvis Chimenes Pavão.

No Estado, os mandados de prisão preventiva e temporária são cumpridos em Campo Grande e Ponta Porã, onde moram alguns familiares do criminoso.

Também há alvos em Rondônia, São Paulo, Santa Catarina e o Distrito Federal. Todos os mandados foram expedidos pela 3ª Vara Federal de Rondônia.

Objetivo da operação, denominada Pavo Real, é desmantelar a organização criminosa suspeita de lavagem de dinheiro e ocultação de bens obtidos por meio do tráfico internacional de drogas, comandada por Pavão de dentro do presídio.  

Jarvis Pavão é apontado como integrante da facção criminosa Primeiro Comando da Capital e comandava o tráfico internacional de drogas na fronteira, mesmo preso.

Investigações apontaram que ele ainda mantém esquema de lavagem de dinheiro e ocultação de bens junto com a família, que também é alvo da operação.

Pavão está preso desde 2009 e, desde agosto do ano passado, está na Penitenciária Federal de Brasília. 

Investigação

Polícia Federal apurava ocupação de bens e movimentação de valores por um dos detentos da Penitenciária Federal de Porto Velho (RO), quando encontrou vários bilhetes escritos à mão por Pavão, com anotações de imóveis identificados por siglas e codinomes.

Foi identificada a existência de uma organização criminosa que tinha como objetivo a ocultação de bens obtidos com o tráfico internacional de drogas.

O núcleo da quadrilha era composto por integrantes da família de Pavão, como a mãe, esposa, filhos, padastro, genros e sobrinhos. Todos tiveram a prisão decretada e os mandados são cumpridos hoje.

A liderança da organização criminosa era de Pavão e de seu filho. Ambos comandavam o tráfico internacional de drogas, na fronteira entre Mato Grosso do Sul e o Paraguai, em constante guerra com as facções rivais pelo controle do tráfico na fronteira.  

Primeira fase da operação foi deflagrada em junho de 2019, quando foram cumpridos mandados de busca e apreensão em imóveis de luxo alugados pelo grupo criminoso em Porto Velho (RO).

Na ocasião, foram apreendidas armas, munições, documentos e equipamentos eletrônicos usados no esquema de lavagem de dinheiro.

Também foi determinado o bloqueio de mais de R$ 300 milhões da conta de investigados. 


Fonte: Correio do Estado