Terca-Feira, 27 de Outubro de 2020

Justiça decidirá candidato do PSL a Prefeitura de Campo Grande


Presidente estadual do partido entrou com ação para destituir Trutis, escolhido na convenção municipal e referendado pelo diretório nacional para a disputa
O deputado federal Loester Trutis e a senadora Soraya Tronicke, antes aliados, fizeram a disputa interna do PSL ir parar na Justiça - Reprodução

Com um roteiro hollywoodiano, digno de Filmes como “Jogos Mortais”, a briga interna do PSL de Campo Grande teve mais uma reviravolta e chegou à cúpula do partido, em Brasília. Nesta terça-feira (15), o diretório nacional da legenda, por meio da assessoria de comunicação, reconheceu a convenção realizada no último domingo (13).

Além disso, o diretório ainda devolveu ao deputado federal Loester Trutis o comando da sigla na cidade. O imbróglio teve seu ápice após o parlamentar surpreender a todos ao anunciar sua candidatura a prefeito da Capital durante a reunião partidária. Até então, o nome indicado era do vereador Vinícius Siqueira, que pertencia ao Democratas e acabou mudando de legenda em abril para, especificamente, concorrer ao cargo de prefeito nas eleições deste ano.

Na segunda-feira (14), a presidente do partido em Mato Grosso do Sul, senadora Soraya Thronicke, destituiu o diretório encabeçado pelo deputado federal. No mesmo dia, a senadora anunciou que a legenda iria promover outra convenção, agendada para essa quarta-feira (16), último data para que as legendas realizem suas convenções e confirmem por meio de ata candidatos aos executivos municipais, bem como de vereadores.

A parlamentar insiste que Siqueira tinha sido escolhido após análises técnicas. No entanto, o PSL nacional ‘devolveu’ a presidência municipal a Trutis e confirmou que a convenção válida é a que definiu o nome do deputado como candidato a prefeito, ao lado de Lilian Durães, como candidata a vice-prefeita.

Ouvido pelo reportagem do Correio do Estado, Siqueira afirmou que não tem muito o que dizer sobre o caso, pois agora a decisão caberá à Justiça.”Não tem nada definido, por enquanto, pois a questão está ajuizada. Portanto, vamos aguardar”, explicou.


Fonte: Correio do Estado