Segunda-Feira, 26 de Outubro de 2020

Força-tarefa retoma combate às queimadas no Pantanal da Nhecolândia


Parceira entre governos estaduais tenta combater queimadas que duram meses
- DIVULGAÇÃO/Chico Ribeiro

Bombeiros de Mato Grosso do Sul e do Paraná retomaram o combate aos incêndios que começaram que há uma semana e ameaçavam à comunidade na região do Porto da Manga, que vive na beira do Rio Paraguai. 

Os focos de calor voltaram a ser combatidos na manhã desta quinta-feira (17), no Pantanal do Nhecolândia, em Corumbá. Distante 60 km da cidade pela MS-228 (Estrada-Parque). 

Na terça-feira, o fogo chegou a 200 metros da vila e foi controlado após intenso combate pelos bombeiros e brigadistas do Prevfogo do Ibama e da Marinha.

O pescador Delson Carneiro, antigo morador do povoado, agradeceu a ajuda dos combatentes."Graças a Deus tivemos apoio do Governo e da Marinha, os moradores entraram em pânico, foi uma correria para apagar o fogo que estava sendo empurrado pelo vento". 

Ele disse que, para a sorte da comunidade, o incêndio surgiu durante o dia. "À noite a gente não teria esse apoio, o fogo ia destruir tudo”, afirmou.

O comandante do 3º Grupamento do Corpo de Bombeiros de Corumbá, tenente-coronel Luciano Alencar, disse que a pronta ação da força-tarefa foi importante para evitar uma tragédia. "O fogo atingiu o galinheiro de um morador ribeirinho e chegaria na casa, mas conseguimos dissipar", observou.

Um grupo de 15 bombeiros do Paraná chegou a Corumbá em três viaturas e integrou a Operação Pantanal II, coordenada pela Marinha de Ladário. 

A parceria entre os governos sul mato-grossense e paranaense inclui ainda o apoio de sete caminhões-pipa, totalizando 42 mil litros de água, os quais chegarão à região ainda esta semana.

A prioridade da operação em Corumbá, neste momento, é o combate aos focos de calor no Porto da Manga, onde atuam 15 bombeiros de MS e PR. 

O fogo, segundo os moradores, surgiu próximo ao antigo canal do Rio Taquari e depois surgiu do outro lado do Rio Paraguai. "Nessa seca, o fogo aparece do nada", diz o pescador Castelo.


Fonte: Correio do Estado