Sexta-Feira, 05 de Marco de 2021

Presidente da Assembleia assume governo e já cumpre agenda no interior nessa quarta


Ele assume enquanto Reinaldo Azambuja está de férias e Murilo Zauith com Covid-19
Paulo Corrêa ficará como governador interino até o dia 30 de janeiro - Foto: Bruno Henrique / Correio do Estado

O presidente da Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul (Alems), Paulo Corrêa, assumiu, nesta terça-feira (26) e permanecerá por cinco dias, interinamente, como governador do Estado, devido às férias de Reinaldo Azambuja (PSDB).

Além disso, Corrêa foi convocado porque o vice-governador, Murilo Zauith (DEM) foi diagnosticado com Covid-19.

Segundo o agora governador em execício, o fato é constitucional e ele pretende cumprir as demandas que já estavam traçadas pelo governo.

“Foi solicitado pelo nosso vice-governador que eu assumisse, porque infelizmente ele foi acometido pela Covid-19. Portanto, esse procedimento é natural, sendo que é uma das minhas prerrogativas como presidente da Assembleia. Agora pretendo cumprir o que foi traçado pelo governador Azambuja e assim contribuir para o bom andamento das ações do governo”, projetou.

O governador em exercício adiantou que, já nesta quarta-feira (27), cumprirá três compromissos no interior, que já estavam incluídos na agenda da governadoria. “Nós iremos inaugurar uma obra em Três Lagoas, outra em Chapadão do Sul e, por fim, lançamentos de obras em Bonito”, elencou.

Afastamento do vice

Murilo Zauith assumiu o posto de governador do Estado na segunda-feira (25). Conforme informou a assessoria do Executivo estadual, ele iria trabalhar no sistema home-office, devido a ter testado positivo para o coronavírus.

No entanto, nesta terça, Murilo encaminhou ofício à Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (Alems), comunicando sua decisão de se afastar do exercício de governador, a contar de hoje até o próximo sábado (30).

A medida é prevista na Constituição Estadual, que diz que quando o período de licença não exceder 15 dias, cabe ao governador do Estado, titular ou em exercício, comunicar a Casa de Leis sobre sua impossibilidade de cumprir os deveres inerentes ao cargo, assim como foi feito.


Fonte: Correio do Estado