Domingo, 18 de Abril de 2021

Eleição no Congresso pode coroar aliança Bolsonaro e Centrão


Disputa tem forte significado para interesses do Executivo nos próximos dois anos; Planalto fez investida por aliados
Ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos, entrega caneta a Bolsonaro durante sua cerimônia de posse Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil (04/07/2019) / Estadão Conteúdo

Deputados e senadores vão eleger nesta segunda-feira, 1º, quem comandará a Câmara e o Senado pelos próximos dois anos, numa disputa que vai muito além dos interesses do Congresso. O resultado da eleição pode significar um cheque em branco nas mãos do presidente Jair Bolsonaro ao entregar a dois aliados dele a chefia do Legislativo. A interferência de Bolsonaro na campanha indicou que as práticas da velha política, com distribuição de cargos e verbas, sepultaram de vez a expectativa de renovação manifestada nas urnas, em 2018.

Ameaçado no cargo por 59 pedidos de impeachment, o presidente investiu pessoalmente na costura de acordos e na cooptação de votos para selar a eleição do deputado Arthur Lira (Progressistas-AL) e do senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Para Bolsonaro, a eleição de Lira e Pacheco nas duas Casas do Congresso significa a blindagem do seu mandato.

A vitória dos dois candidatos, se confirmada, também coroa o acordo de Bolsonaro com o Centrão. O grupo de centro-direita, sem apegos ideológicos e notabilizado pelo fisiologismo, ressurgiu em 2015 sob a liderança de Eduardo Cunha (MDB-RJ), que deixou a presidência da Câmara e acabou sendo preso.

Remanescente da "tropa de choque" de Cunha e réu na Lava Jato, Lira manifestava a intenção de presidir a Câmara desde 2018, mas nunca conseguiu se consolidar como sucessor do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que lançou a candidatura do deputado Baleia Rossi (MDB-SP).

Com sua ambição frustrada, Lira deixou o grupo de Maia e atualmente é o líder do Centrão, encabeçando uma bancada suprapartidária que reúne aproximadamente 200 dos 513 deputados. Trata-se de um núcleo acostumado a explorar oportunidades num Executivo de base congressual frágil.

Estadão revelou que o governo liberou R$ 3 bilhões em recursos "extras", do Ministério do Desenvolvimento Regional, para 250 deputados e 35 senadores destinarem a obras em seus redutos eleitorais. As tratativas foram conduzidas no gabinete do ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, que nega o balcão de negócios. Dos contemplados, grande parte declarou apoio aos candidatos do governo no Congresso.

Principal adversário de Lira, Baleia conseguiu o apoio de partidos que vão da centro-direita à esquerda, na maior frente ampla construída desde a redemocratização. O grupo é visto pelo Planalto como o primeiro passo de um movimento articulado para desgastar ainda mais Bolsonaro. Na prática, a aliança antibolsonarista pode representar um ensaio para a disputa presidencial de 2022.

Após as eleições no Congresso, Bolsonaro vai promover uma reforma ministerial. Na sexta-feira, ele condicionou a recriação dos ministérios da Cultura, do Esporte e da Pesca à vitória de seus aliados na Câmara e no Senado, mas sábado recuou e disse que essas pastas continuarão como secretarias. Indicou, porém, que Onyx Lorenzoni deve ser transferido do Ministério da Cidadania para a Secretaria-Geral da Presidência. Com isso será aberta uma vaga para o Centrão, provavelmente para o Republicanos, partido ligado à Igreja Universal. Cidadania é o ministério que cuida do Bolsa Família, programa que Bolsonaro pretende usar como passaporte para sua candidatura à reeleição, em 2022.

Contemplados até agora com cargos de segundo e terceiro escalões, os líderes do Centrão querem deixar a periferia do poder e mostram apetite por ministérios com orçamento bilionário. Além de Cidadania, estão na lista de desejos do bloco as pastas de Saúde, Desenvolvimento Regional e o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). O grupo também quer a recriação do Ministério da Indústria e Comércio Exterior.

A reta final da campanha tem sido marcada por defecções no arco de aliados dos candidatos adversários do Planalto. Baleia perdeu apoiadores atraídos pelas benesses oferecidas pelo governo e Simone Tebet (MDB-MS) também se viu abandonada na última hora por seu próprio partido, que preferiu rifar a candidatura dela ao comando do Senado e apoiar Rodrigo Pacheco, o nome avalizado pelo Planalto, em troca de cargos na Mesa Diretora.


Fonte: Terra.com