Domingo, 18 de Abril de 2021

Bolsonaro confirma compra de vacina da Pfizer e diz que primeiras doses chegam em abril


O presidente Jair Bolsonaro cumprimente apoiadores no aeroporto de Uberlândia (MG) Foto: Alan Santos/Presidência

O presidente Jair Bolsonaro confirmou nesta quinta-feira (4) que o governo brasileiro irá comprar a vacina da Pfizer contra a Covid-19. Bolsonaro afirmou que a aquisição só foi possível após o Congresso aprovar o projeto que autoriza a União a assumir responsabilidade por possíveis efeitos adversos dos imunizantes.

Bolsonaro disse que no mês que vem "milhões" de vacinas da Pfizer irão chegar no Brasil, mas afirmou não saber o número exato. Ele não comentou as tratativas com a Janssen, que ocorrem em paralelo.

Por que o Pazuello assinou ontem contrato com a Pfizer? A Pfizer é clara, está lá no contrato: não nos responsabilizamos por qualquer efeito colateral — disse Bolsonaro. — Então, já que o Congresso falou que pode comprar essa vacina, o Pazuello ontem assinou o contrato. Vamos comprar.  No mês que vem, não sei a quantidade, mas vai chegar já alguns milhões no Brasil.

Procurada pelo GLOBO para comentar a declaração, a Pfizer informou que, no momento, não irá comentar sobre as negociações com o governo federal e que, em breve, o Ministério da Saúde deve divulgar um comunicado sobre o assunto.

As declarações ocorreram durante conversa com apoiadores no aeroporto de Uberlândia (MG), onde Bolsonaro desembarcou para seguir para um evento em São Simão (GO). O presidente reclamou da repercussão de uma afirmação feita por ele em dezembro, de que a vacina da Pfizer poderia transformar as pessoas em "jacaré". Segundo o presidente, "figura de linguagem".

Em edição extra do Diário Oficial da União, publicada na noite de quarta-feira, o Ministério da Saúde permitiu a dispensa de licitação para comprar 100 milhões de doses da vacina da Pfizer e 38 milhões do imunizanten da Janssen.

Nesta quinta, Bolsonaro também reclamou do trecho de um projeto, vetado por ele, que autorizava estados e municípios a comprar vacinas, e determinava que o governo federal deveria pagar por elas:

Alguns poucos governadores queriam comprar vacinas. Eles compravam e quem ia pagar? Eu. A que preço? A que preço? Então, vetei o dispositivo. Onde tiver vacina para comprar, nós vamos comprar.

O presidente disse que "tem idiota" que pede para ele comprar vacinas e respondeu que "só se for na casa da tua mãe":

 Tem idiota que a gente vê nas redes sociais, na imprensa, (que diz:) "vai comprar vacina". Só se for na casa da tua mãe. Não tem para vender no mundo. Agora, nós somos um dos poucos países que fabricam vacina no mundo.

 


Fonte: Globo