Sábado, 24 de Julho de 2021

Detentos de Presídio local poderão estudar em faculdade particular


A parceria foi firmada nesta semana e além da certificação, os participantes recebem remição de pena
Foto: Ilustrativa

A Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) fechou parceria com faculdade particular para que internos em regime fechado da Penitenciária de Segurança Máxima de Naviraí (PSMN) possam fazer Graduação e Pós-Graduação.

As aulas serão oferecidas na modalidade à distância e já conta com 15 internos matriculados. 

Para o desenvolvimento das atividades uma sala de informática foi equipada com computadores, através da parceria, onde os internos acessam os materiais necessários, com supervisão de servidores. 

Além disso, é fornecido descontos de até 35% nas mensalidades para cursos de Graduação, Pós-graduação e cursos livres para os internos.

Dentre os cursos, estão; Tecnologia em Análise de Desenvolvimento de Sistemas, Tecnologia em Agronegócio, Tecnologia em Marketing e Serviço Social.

Além da certificação, os participantes recebem remição de pena, conforme estabelece a Lei de Execução Penal.

Presente na assinatura da parceria com a faculdade Unigran, o diretor-presidente da Agepen, Aud de Oliveira Chaves, relatou a importância da parceria.

“A educação e a busca constante pelo conhecimento se tornam ferramentas eficientes para a formação do indivíduo e dentro do sistema prisional contribuem na transformação de hábitos”, enfatizou.

Em Mato Grosso do Sul, o oferecimento de ensino superior, pelo sistema de educação à distância (EAD), é realidade em cinco estabelecimentos prisionais da agência penitenciária.

Conforme a responsável pelo setor de Educação da unidade penal, servidora Valdirene Góes Domingos, são cursos que não necessitarão de estágio supervisionado, ou que os internos poderão fazê-los quando saírem para o regime semiaberto.

De acordo com a chefe da Divisão de Assistência Educacional da Agepen, Rita de Cássia Argolo Fonseca, atualmente 50 reeducandos estão cursando o ensino superior em unidades penais do estado.


Fonte: Thais Libni - Correio do Estado