Terca-Feira, 28 de Setembro de 2021

Sul-mato-grossense Silvânia Costa sagra-se bicampeã paralímpica no salto em distância


"Entrei e no finalzinho tive muita garra, muita determinação, e ir para cima". Fotos: Wander Roberto/CPB

Dia histórico para o esporte de Mato Grosso do Sul. Após o ouro inédito de Yeltsin Jacques nos 5.000m da Paralimpíada de Tóquio-2020, batendo o recorde das Américas, nesta quinta-feira (26), foi a vez de Silvânia Costa de Oliveira brilhar no maior evento paradesportivo do planeta. A três-lagoense confirmou o favoritismo e se tornou bicampeã paralímpica do salto em distância, na classe T11 (pessoas com deficiência visual).

Assim como na Rio-2016, a medalha veio com emoção. Na edição brasileira dos Jogos Paralímpicos, a sul-mato-grossense de 34 anos só assegurou o ouro na sexta e última tentativa. Agora na capital japonesa, o lugar mais alto do pódio foi alcançado no quinto salto, ao atingir cinco metros cravados, sua melhor marca na temporada.

Silvânia iniciou a prova queimando as duas primeiras chances. Na terceira, saltou 4,76 metros; na quarta, 4,69 metros e na quinta, enfim, veio a tão esperada marca. Para completar, na sexta e última ela atingiu 4,84 metros. O segundo lugar ficou com Asila Mirzayorova (4,91 metros), do Uzbequistão, e o terceiro com a ucraniana Yuliia Pavlenko (4,86 metros). A outra brasileira na disputa, Lorena Spoladore, finalizou na quarta posição, saltando 4,77 metros.

“Não foi uma prova muito fácil. Foi uma prova que eu entrei e no finalzinho tive muita garra, muita determinação, e ir para cima. Antes mesmo de finalizar a prova já estava comemorando. Eu sabia o tanto que eu tinha batalhado e lutado, o tanto que eu passei para chegar até aqui”, relatou Silvânia, em entrevista ao canal SporTV.

A paratleta de Três Lagoas em 2016, no Rio, não tinha ideia de que estava grávida e competiu com três meses de gestação, quando faturou sua primeira medalha de ouro olímpica. Três anos depois, foi punida por doping e ficou fora de competições nos últimos dois anos, incluindo os Jogos Parapan-Americanos de Lima e o Mundial, ambos em 2019.

A pandemia foi outro fator desfavorável à preparação para Tóquio-2020. Ela retornou à rotina de treinamentos regulares apenas nos últimos cinco meses. Em entrevista ao canal esportivo do grupo Globo, que transmite o evento, a sul-mato-grossense desabafou. “Nosso trabalho foi realizado com sucesso. Não foi uma prova fácil, entrei e tive que ir pra cima, com muita garra no último salto. Eu sabia quanto eu tinha batalhado, lutado, tudo o que passei para chegar aqui. Os últimos cinco meses foram muito doloridos”.

“Ralei muito para chegar até aqui. Essa medalha vem com sabor de muita garra e superação. Eu tive duas interrupções [no ciclo olímpico]: uma foi o nascimento do meu filho e a outra foi minha suspensão. Dei a volta por cima de tudo”, finalizou.

Nem deu muito tempo de comemorar o ouro no salto em distância. Silvânia, logo na sequência, competiu na prova dos 400 metros (classe T11), mas abandonou a segunda classificatória alegando dores na parte posterior da coxa, por conta do esforço físico nos seis saltos. Portanto, ela ficou fora da final da categoria.

 


Fonte: Lucas Castro, Fundesporte