Terca-Feira, 21 de Setembro de 2021

Piloto consegue se ejetar de avião antes de aeronave cair em MS


Aeronave completamente queimada em meio a muita fumaça.

No início da tarde desta segunda-feira (13), uma aeronave militar realizou um pouso forçado em uma área de descampado próxima ao Aeroporto de Campo Grande. 

Falha mecânica provocou a queda do caça modelo A-29 Super Tucano. Em nota, a FAB (Força Aérea Brasileira) informou que, ao detectar o problema, o piloto direcionou a aeronave para região desabitada da cidade, antes de ejetar-se.

Um dos modelos mais modernos usados pela FAB, um avião de caça novo, igual ao modelo que caiu, chega a custar cerca de US$ 30 milhões de dólares, aproximadamente R$ 158 milhões, segundo levantamento publicado pela coluna Todos A Bordo, do site UOL.

Após o piloto redirecionar o voo, a aeronave colidiu com o solo em região nos fundos dos bairros Coophavila II e Santa Emília. Com o impacto, peças do avião se espalharam por plantação de milho, em propriedade ao lado da Fazenda Cerradinho. O avião ficou carbonizado.

Ainda segundo afirmou a FAB, o piloto foi resgatado por um helicóptero H-60 Black Hawk, do Esquadrão Pelicano (2º/10° GAV) e passa bem. Ele recebe acompanhamento médico.

O acidente será investigado pelo Comando da Aeronáutica.

Conforme a coluna Todos A Bordo, O A-29 é a evolução do T-27 Tucano, que foi desenvolvido pela Embraer na década de 1980. O Super Tucano começou a ser operado no início dos anos 2000, e conta com versão para um e dois lugares, tendo mais de 250 unidades vendidas para 15 países.

No Brasil, o modelo é usado, principalmente, pelo EDA (Esquadrão de Demonstração Aérea), desde 2013. A aeronave pode alcançar 593 km/h e tem autonomia de 3,4 horas de voo.

 


Fonte: Campo Grande News