Terca-Feira, 19 de Outubro de 2021

Integrantes do PCC que lideraram execuções em Naviraí, serão levados a júri


Os julgamentos de dois casos acontecerão em quatro datas diferentes em setembro, novembro e dezembro - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS
Foto: Ilustrativa

 

A justiça de Naviraí se prepara para levar a júri popular integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital) apontados como executores do Tribunal do Crime na cidade a mando dos líderes da facção paulista. Os julgamentos de dois desses casos acontecerão em quatro datas diferentes em setembro, novembro e dezembro.

Os dois casos que serão analisados pelos jurados nos próximos mês são, na verdade, tentativas de homicídio. As vítimas, Ricardo Domingues Simplício e Kazuo Aleandro Kawahara Pereira, foram julgadas e condenadas pela facção em abril e maio de 2019 e conseguiram escapar da morte.

Ricardo foi sequestrado e torturado pelo grupo criminoso em abril após ser acusado de ter estuprado uma mulher, fato que nunca foi comprovado. A polícia, no entanto, descobriu que ele era mantido refém e o resgatou com diversos ferimentos pelo corpo. Nove pessoas foram identificadas como autoras do crime.

Agora a justiça leva a júri seis deles: Renan Leite Custodio, Edmar Lima de Oliveira, Marcos Jhony Reis dos Santos, Matheus Maciel Fialho, Vagner dos Santos e Alexsandro Emiliano da Silva.

O julgamento, será dividido em duas etapas. No dia 23 de setembro, às 8 horas, o Conselho de Sentença irá julgar Renan, Marcos e Edmar. Em 2 de dezembro, no mesmo horário, será a vez de Matheus Maciel, Vagner e Alexsandro. As duas sessões acontecerão no Plenário da Câmara Municipal de Naviraí.

Matheus Maciel e Vagner dos Santos também serão julgados pela tentativa de homicídio a Kazuo Aleandro junto com Gabriel Andrade Francisco Honório, Danilo Lopes Paixão, Lucas Alberto Canaverde, Luiz Carlos Alves e José Aparecido Maxuel.

Segundo a denúncia do Ministério Público a vítima se tornou alvo da facção após passar uma temporada no presídio e se negar a seguir as regras estabelecidas pela organização criminosa.

Essa negativa transformou Kazuo inimigo e por isso sua morte foi decretada. As lideranças da “Geral do Conesul” recrutaram Danilo Paixão e Gabriel Andrade para o crime. Eles receberam uma pistola 9 mm e uma moto, foram até a casa da vítima e chamaram ela no portão. Quando o alvo atendeu, os suspeitos dispararam, mas a arma falhou.

 


Fonte: Campo Grande News