Terca-Feira, 19 de Outubro de 2021

Vai viajar no feriado? Veja se compensa alugar um carro


O aluguel pode garantir maior autonomia na cidade que tem em destino ou ao longo do trajeto
Ilustração

Com o feriado prolongado se aproximando, muitas pessoas estão se preparando para pegar a estrada. Se o carro da família não for confortável o suficiente para longos trajetos ou não tiver seguro, alugar um carro pode ser uma boa opção.

O aluguel pode garantir maior autonomia na cidade que tem em destino ou ao longo do trajeto, mas deve ficar atento aos contratos das concessionárias.

Antes de sair em viagem, é bom te decidido o quanto vai rodar. Algumas locadoras dão a opção de escolha entre quilometragem livre ou controlada, normalmente 100 km dia, com possibilidades de descontos.

Fique atento quando a quilometragem é controlada. Se for, e o locador não notar, no momento da devolução será surpreendido com a cobrança da distância excedida.

Antes de sair do pátio , verifique as condições do veículo, confira se o estepe, macaco e chaves de roda estão no veículo. 

Também veja se o tanque está cheio, o rádio funcionando e o manual no porta-luvas, e leve uma cópia da inspeção para evitar problemas futuros.

Crianças

É obrigatório crianças serem transportadas em cadeirinhas, em casos de aluguel dos veículos, as locadoras costumam cobrar uma taxa excedente.

O preço varia, mas fica em torno dos R$ 20. As vezes é mais prático e barato levar a própria cadeirinha ou comprar uma no destino, principalmente para longos aluguéis.

Caso vá até o destino de avião, verifique se as companhias aéreas não cobram o transporte de cadeirinha de crianças menores de 2 anos.

Combustível

A maioria das locadoras dá duas opções, devolver o tanque cheio ou vazio. Contudo, a melhor alternativa é receber o carro de tanque cheio e devolvê-lo do mesmo jeito.

É difícil usar o tanque todo e ainda fazer cálculo exato para entregar o veículo sem uma gota de gasolina. Mas caso opte por entregar com o tanque cheio, e devolver vazio, provavelmente terá de pagar um valor bem mais alto pelo combustível que será reposto.


Fonte: Correio do Estado