Terca-Feira, 07 de Dezembro de 2021

Azambuja e Ratinho Junior pedem celeridade para liberar licença ambiental da Nova Ferroeste


Nesta quarta-feira (24) com a entrega do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e também do Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) no Ibama
- Foto: Divulgação/Ibama

Os governadores de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, e do Paraná, Ratinho Junior, pediram agilidade ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama) para a liberação da licença ambiental prévia da Nova Ferroeste.

Nesta quarta-feira (24), os governadores entregaram o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e o Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) no Ibama, com expectativa de ir a leilão na Bolsa de Valores no segundo trimestre de 2022.

Com a entrega do estudo e do relatório de impacto, o órgão ambiental pode aprovar uma licença prévia antes do leilão da Nova Ferroeste, dando mais segurança jurídica e fazendo com que o projeto atraia mais investidores.

“Passando por oito municípios sul-mato-grossenses, o projeto da Nova Ferroeste é estratégico para nós sob o ponto de vista da logística e também da competitividade. No futuro, com a viabilização da ferrovia, o nosso Estado vai diminuir a exportação de commodities e ampliar a exportação principalmente de proteína animal”, destacou Reinaldo Azambuja.

O governador do Paraná destacou a importância da participação dos diversos órgãos federais na execução do Estudo de Impacto Ambiental, que é essencial para solicitar o licenciamento.  

“Os técnicos se aproximaram do projeto, percorreram todo o trecho a ser estudado e acompanharam todas as etapas, nos orientando quais os melhores caminhos”, avaliou Ratinho Junior. 

Nova Ferroeste

O projeto da Nova Ferroeste será um investimento privado, com extensão de 1.304 quilômetros, ligando a cidade paranaense de Cascavel a Maracaju.  

Os trilhos da nova malha ferroviária vão passar por oito municípios de Mato Grosso do Sul. Primeiro por Mundo Novo, e seguirão por Eldorado, Iguatemi, Amambai, Caarapó, Dourados e Itaporã, até chegarem a Maracaju.

"O objetivo também de trazer a Ferroeste até Maracaju é a capacidade de conexão dessa nova ferrovia com Malha Oeste, trazendo toda uma rede integrada de ferrovia em Mato Grosso do Sul”, explicou Reinaldo Azambuja.

No Paraná, o projeto ainda inclui Guarapuava e Paranaguá; um ramal multimodal ligando Cascavel e Foz do Iguaçu; além da revitalização do atual trecho da Ferroeste, entre Cascavel e Guarapuava.

REUNIÃO

A reunião que aconteceu em Brasília, teve participação de membros da bancada federal dos dois estados no Congresso Federal.

Pelo Mato Grosso do Sul estiveram o senador Nelsinho Trad e os deputados federais Beto Pereira, Bia Cavassa, Dagoberto Nogueira e Vander Loubet.  

O secretário Jaime Verruck, da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente), Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), também participou da reunião.

“Destacamos a construção conjunta desse estudo. O Ibama ao longo da formulação esteve conosco em Mato Grosso do Sul e também no Paraná fazendo avaliação dos pontos críticos. É importante trazer o Ibama projeto que eles já têm conhecimento dos principais pontos de impacto ambiental da nova ferrovia”, explicou Jaime Verruck.

Segundo informações de Verruck, outro ponto abordado foi que a ferroria não passasse por áreas indígenas e de unidades de conservação.  


Fonte: Correio do Estado