Terca-Feira, 01 de Dezembro de 2020

Rota Bioceânica tem potencial para movimentar R$ 1,5 bilhão em Mato Grosso do Sul


Estudo da UFMS aponta a abertura de várias oportunidades na economia local
Obras do lado paraguaio estão a pleno vapor - Divulgação

Uma das metas do governo do Estado é ampliar a diversificação econômica de Mato Grosso do Sul. A implantação da rota ou corredor bioceânico tem o intuito de expandir a relação comercial do Estado com países asiáticos e sul-americanos e deve fomentar, além da diversificação da pauta de exportações, a atração de indústrias e empresas para MS.

O objetivo da criação de um corredor rodoviário entre Brasil, Paraguai, Argentina e Chile é interligar os oceanos Pacífico e Atlântico. Estudo desenvolvido pela professora e pesquisadora Luciane Carvalho, que integra o projeto de pesquisa e extensão Corredor Bioceânico da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), aponta as possibilidades de diversificar a economia do Estado.

A proposta do corredor é conectar e integrar os países vizinhos (Paraguai, Argentina e Chile) e diversificar a pauta dos produtos exportáveis para os países asiáticos. “O corredor poderá favorecer, também, o comércio com a Costa Oeste dos Estados Unidos e a Oceania”, explica a pesquisadora.

Luciane ainda afirma que a ideia é fomentar a instalação de novos empreendimentos nos municípios de Mato Grosso do Sul. “Futuramente, com o corredor há perspectivas de instalações de novos empreendimentos nos municípios. Mas isso também depende de políticas de atração de novas empresas e da decisão de empresários, que veem o corredor como oportunidade para expandir suas atividades”, considera.

Conforme já noticiado pelo Correio do Estado, a diversificação econômica é uma das metas da gestão estadual. De acordo com o titular da Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck, a projeção para os próximos anos é a de investir na diversificação da base econômica, facilitar a logística e melhorar a infraestrutura.

“Nosso foco é a questão logística, estamos focados no corredor [bioceânico], o projeto de acesso à ponte já está avançando, a estruturação dos portos tem avançado, saiu o edital da licitação dos aeroportos de Mato Grosso do Sul, que é outra medida importante para que possamos avançar”, analisou Verruck.

 

TEMPO

Conforme estudo desenvolvido na UFMS, os custos para o envio da produção sul-mato-grossense serão reduzidos, além do tempo de viagem, que será encurtado em até 17 dias rumo ao mercado asiático.

“Isso indica melhora com relação ao frete e maior competitividade para os produtos sul-mato-grossenses, que atualmente são escoados via Porto de Santos e Porto de Paranaguá. Então, a rota é um projeto ambicioso que vem a se tornar realidade”, destaca Luciane Carvalho.

Conforme dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), de 2015 a 2020, metade das exportações de Mato Grosso do Sul foi destinada para a China e para a ilha de Hong Kong, sendo os principais produtos: soja, carne bovina, pastas químicas de madeira, milho, açúcares de cana e de beterraba e sacarose.

Outros países, como Japão, Coreia do Sul, Tailândia, Indonésia e Malásia, correspondem a 13% do total das exportações sul-mato-grossenses nos últimos cinco anos. “Com a rota, Mato Grosso do Sul poderá aumentar o volume de exportações para os países asiáticos, atendendo à demanda por alimentos ao fornecer proteína animal, como frango, suínos e peixes”, avalia a pesquisadora.

Na pauta de importações do Estado, China e Hong Kong representam 14% do total, e os outros países asiáticos, 5%, no período de 2015 a 2020. “A rota traz um benefício mútuo, tanto para as exportações como para viabilizar as importações para a produção industrial, fomentando o desenvolvimento e a criação de novos empreendimentos”, explica Luciane.


Fonte: Correio do Estado